Ao que parece, o nosso querido ministro da Educação Nuno Crato sugere em Conselho de Ministros que o Estado deve apoiar não só os alunos do ensino público, como também do ensino privado. Ora, isto para mim é tudo uma palhaçada, e peço desculpa pelos modos como me vou expressar neste texto, mas isto "tira-me do sério". 

No ano letivo anterior recebi alguns e-mails da minha universidade, Instituto Politécnico de Leiria, a informar que o Estado diminui (e muito!) a verba para o recorrente ano. De certo modo, tenta fazer-se um esforço para compreender essa mesma ação face à situação económica-financeira que o país enfrenta, mas o que eu não consigo compreender nem aceitar, é; então se se tem de reduzir a despesa publica, que ideia megalómana é esta de apoiar o ensino privado???  Diz ele que, “a escola pública fica defendida” e “é promovida uma maior autonomia”. 

Como cita e bem o senhor Rui Santos, coordenador do grupo parlamentar do PS na comissão de Educação, Ciência e Cultura ao PÚBLICO “O que o senhor ministro pretende é criar uma escola pobre para pobres com resultados pobres”, e eu não estaria mais de acordo. 

Será que o senhor ministro Nuno Crato não sabe que os colégios privados são deveras seletivos e que tendem a aceitar apenas ou maioritariamente alunos demasiado estáveis a nível económico ou bons alunos? Nem sempre isso acontece, EU SEI, mas é cliché dos colégios. Será que ele não entende que essa "liberdade de escolha" dos familiares e alunos que tanto profere não existirá, não na maioria desses estabelecimentos? 

QUERO UM ENSINO PÚBLICO COM MAIS QUALIDADE, tenho dito. Invistam em formações para professores, criem novas regras, novos métodos, uma nova realidade. É disso que os alunos precisam: DE UMA MELHOR EDUCAÇÃO PÚBLICA ao nível da privada, e digo isto, porque do ensino primário ao preparatório frequentei escolas publicas, no entanto, o ensino secundário (em parte) foi realizado num colégio, e infelizmente, as diferenças são bastante notórias, desde o rigor e exigência por parte dos professores como a educação e esforço por parte dos alunos. Portanto há que remodelar o sistema de ensino público! 

3 comentários

  1. Concordo plenamente... Apesar de ter escolhido uma faculdade privada (aliás, não escolhi.. Apenas a minha média não fui suficiente para o curso que queria na pública), toda a minha vida andei em escolas públicas e concordo que esta medida do Ministro da Educação é uma piada (só pode ser...). Com uma dívida enorme que temos, com os cortes a serem feitos noutras áreas, é assim que o Estado pretende gastar o dinheiro (restante)? E é por isso que muitos de nós, jovens, estamos com um olho noutros países, porque por estes lados torna-se impossível ter alguma estabilidade...

    ResponderEliminar
  2. o meu namorado estou na mesma secundaria que eu (publica) mas no 12º ano foi para uma privada e diz que não tem comparação mas pelo contrario eles (privados) não são tão exigentes ele tirava nota maxima com a maior facilidade e na publica ela adorava porque lhe dava luta tinha que estudar e lutar pelo 20 mas não privada tinha 20 sem fazer nada :/ e via colegas dele lerdos como uma porta que que se tivessem na publica nunca iriam conseguir terminar o 12 ano na vida, pk a privada facilitava demasiado as notas
    Mas cada caso é um caso, a minha escola secundaria da povoa de varzim é excelente, já o colégio privado do porto as notas pareciam todas compradas :/
    Mas quanto as faculdades concordo completamente

    ResponderEliminar
  3. Depois do sr. (e com letra minúscula propositadamente) Nuno Crato ter dito que, comparativamente a uma turma de 15 alunos uma de 30 tem a mesma qualidade de ensino, deixei de sequer lhe prestar atenção.

    Não entendo a maioria da classe política. Vivem num mundo à parte, só pode.

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.