Tu não sabes, mas eu admiro-te. Admiro a capacidade que possuis de o perdoares, de o receberes e acima de tudo de acreditares. De acreditares que é desta que ele vai mudar, mas não te preocupes, durante 8 meses também pensei assim. Pensei que ele te iria deixar e que o nosso amor; juro que foi amor do mais belo e puro que observei na vida; ia tornar-se público como ele sempre prometeu. (Malditas promessas acompanhadas de amor e carinho com que me habituou ou iludiu (?). Acontece-te o mesmo não é ?) .

Confesso, tenho saudades. Não das promessas, mas daquilo que fomos e que jamais alguém irá perceber e atrevo-me mesmo a dizer, viver (...) viver a nossa cumplicidade dentro e fora da cama. No entanto desisti, desisti de acreditar nas suas atitudes, porque face às palavras, ainda hoje era meu (e teu).

Obrigada por ficares com ele, pois o papel de mulher traída assenta-te melhor (a ti que a mim (um dia)).

1 comentário

  1. Só o facto de já teres capacidade para veres as coisas dessa perspectiva, já mostra que entraste naquele patamar em que já vês as coisas como elas são. Uma coisa que eu aprendi nos meus 29 anos de idade: nenhum homem deixa a namorada para ficar connosco. Custa a aprender, mas aprende-se :)

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.